Gaucho Negro!

Gaucho Negro!
Força e Honra

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Festa de Natal na Abemgra confirmada...


Festa de Natal na Abemgra confirmada...


Foi aprovado meu projeto de festa beneficente de natal para as crianças da Associação do Bem estar do menor de Gravatai- Abemgra, da pequeno principe... nos próximos dias definiremos data, horário, numero de presentes para meninos e meninas e outros detalhes... Estou muito feliz com esta vitória... não será apenas uma festa... investirei nos pequenos de modo a colaborar mais eficazmente com a escola... isto é só o começo da parceria... tdb.






Gaucho


Mais novidades: são 19 meninos e 9 meninas apenas... será dia 22/12/2011 com horário a confirmar...

Como combater o crime, sem dar um tiro!

Como combater o crime, sem dar um tiro!

1) comida: quem não passa a fome e nem frio, dificilmente vai pensar em roubar ou matar. No fundo todos querem viver em paz. usar drogas também é resultado de fome, do corpo ou da alma. lutar contra as drogas é acabar com uma industria que move a violencia... converse com seus filhos...

2)educação: é preciso que as crianças amem a escola e o conhecimento. professores que são influencia positiva a seus alunos coibem a violencia.

3) religião: o que importa aqui é amar ao próximo... sem bandeiras religiosas, mas pregando o maior mandamento de Deus é possivel mudar o interior das pessoas.

esses tres são os primeiros pilares do combate ao crime. todos são preventivos, passando a idéia de que é preciso cuidar das crianças, para que os adultos sejam cidadãos de bem...

4)punição: é muito dificil recuperar um adulto criminoso, ou mesmo um adolescente criminoso. com exceção dos psicopatas, todos os que são "normais", pensam duas vezes se souberem que a punição será pesada. chega de impunidade!!!!!!! vamos cobrar dos politicos, leis que deixem o bandido com medo.
os direitos humanos tem que proteger o cidadão, não o criminoso...

PROJETO HERÓIS DA VIDA REAL BRASIL









Nos últimos vinte anos, uma pergunta tem inquietado as massas consumidoras de quadrinhos: porque não existem super heróis de verdade? Ou como diz o personagem central de kik ass... “porque não existem heróis? Os vilões existem...”

Creio que tudo começou com a série de quadrinhos Watchmen. Criada por Alan Moore e Dave Gibbons a série questionou: “como seria o mundo se existissem super heróis de verdade?” e creio que desde então, esta pergunta começou a martelar na mente de muitas pessoas... nos anos 80 surgiu no México, um cidadão que, vestido de vermelho e amarelo, parecendo mais uma versão de mal gosto do Chapolin Colorado, começou a tomar atitudes e ações sociais sob a alcunha de “Super Barrio Gomez”. Vestido com as cores berrantes, não partiu por ai dando porrada em criminosos, mas fazendo o bem ao próximo, pressionou políticos e personalidades publicas a se comprometerem com a melhoria da vida do povo pobre do México.


Tornou-se um símbolo vivo do que se pode fazer com boa vontade. Tornou-se um herói. Nos EUA, Itália, e México, existem estes homens e mulheres que vestem seus uniformes e saem do conforto e comodismo de suas casas para combater o crime. Esta na hora de começar no Brasil. E vai ser agora! Esqueça velhos nacionalismos, estamos na aldeia global e não importa quem teve a idéia primeiro. Este projeto não pretende estigmatizar a figura do herói como alguém folclórico que vestido berrantemente, sai por ai a caçar outros seres humanos. Este projeto pretende se somar a muitos outros já existentes, colaborando com o funcionamento dos mesmos, combatendo o crime com ações sociais que visem diminuir as desigualdades. Levando comida e atenção a moradores de rua e bairros pobres. Educando as crianças e adolescentes a se manterem longe das drogas. Mostrando as novas gerações que mesmo que a justiça humana seja falha e, as vezes ineficaz, a justiça divina não falha. E pressionando políticos e autoridades a aprovarem leis mais rígidas, que façam criminosos sem intenção de ressocialização, temerem o braço forte da lei e pensarem duas vezes antes de cometerem um delito. Esses serão os quatro pilares do nosso combate ao crime. Comida, educação, religião e punição. Direitos humanos para os trabalhadores, e não para os bandidos!


Tenho certeza que existem milhares de heróis sem máscaras por ai. Professores, bombeiros, enfermeiros, médicos, religiosos, policiais e até alguns políticos, acredite. Mas peço que cada um doe um DIA DA SUA SEMANA, para, munido de boa vontade a amor ao próximo, vestir uma fantasia, e prestar um serviço a comunidade, totalmente anônimo e sem glória pessoal. Por isso, é necessário, criar um personagem heróico, fantasiado, o que é uma grande idéia para chamar atenção para as causas. Vou começar este trabalho sozinho. Vestirei uma fantasia, que está sendo confeccionada neste momento, distribuirei folhetos falando sobre segurança publica, e prestarei um serviço gratuito de segurança publica em um lugar onde eu amo, o parque farroupilha, mais conhecido como Redenção, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Eu sou o Gaúcho Negro. Neste parque, trabalharei para evitar assaltos, sendo que as pessoas que procurarei defender dos assaltos serão preferencialmente: crianças, idosos e mulheres sós. Freqüento o parque a muitos anos, e identifiquei muitos dos que circulam ali.


Prostitutas, ladrões, viciados, pessoas á procura de sexo em publico, e muitas pessoas de bem, que volta e meia, são vitimas de assaltos e violências. Identifiquei os lugares mais perigosos do parque, e sei quais são as vitimas preferenciais dos assaltantes. Pretendo protegê-los, doando um dia da minha semana para fazer patrulhas neste lugar, de dia e á noite. Como? Simples. Acompanhando idosos, crianças e mulheres sozinhas na travessia a tais lugares perigosos, prevenindo-os sobre as áreas que devem evitar, de dia e á noite. No caso de flagrar assalto, chamar a policia rapidamente para o local, e prestando socorro imediato a vitima. Se necessário identificando e testemunhando contra o agressor. No caso de acidente em via publica, chamando imediatamente a samu, pois muitos, nestes momentos apenas olham e nada fazem. Pretendo também levar preservativos para distribuição gratuita, levando em conta que muitos fazem sexo em publico no parque, conscientizando sobre a prevenção e controle da AIDS. Gravando vídeos para o youtube, falando de segurança publica e leis que se aprovadas, melhorarão a segurança do cidadão e as condições de trabalho dos policiais... fazendo palestras em escolas, falando sobre drogas e porque evitá-las... pretendo colaborar com o trabalho da Brigada Militar e da Policia Civil, do modo que for requerido por seus valorosos soldados. É desta forma que começarei este trabalho. Doando um pouquinho de mim. A mascara favorece o anonimato, porque este trabalho deve ser assim: Voluntário e anônimo.


Porque? Por vingança? Não. Por falta de ter o que fazer? Também não. Ninguém na minha família foi morto ou estuprado por um criminoso. Graças a Deus. Eu nunca, nem sequer fui assaltado na minha vida. Mas porque precisamos esperar acontecer algo de ruim para agirmos, não é mesmo? Então porque??????? Porque, como você, quero um mundo melhor pros meu filhos. Um futuro que temos que começar a fazer agora! Esqueçam as “previsões” de 2012. Elas não vão se cumprir. O futuro começa agora. Vamos fazê-lo juntos. Na abertura de cada capitulo da motion comic de Watchmen, uma voz diz: Faça! Estamos começando a fazer.




Porto Alegre, Brasil, 26 de novembro de 2010.

São Leopoldo: justiceiros do Morro do Paula

Três irmãos e um cunhado foram presos por suspeita de homicídios em São Leopoldo. O curioso: eles têm família e emprego. Agiriam para deter criminosos
Letícia Barbieri | leticia.barbieri@diariogaucho.com.br
Os quatro têm trabalho fixo, casa, família, não dependem do crime para se sustentar. Se apresentavam como Justiceiros. Mas, ao decidirem fazer justiça com as próprias mãos, acabaram atrás das grades. Três irmãos e um cunhado foram presos na terça-feira, no Morro do Paula, em São Leopoldo.
Há mais crimes sob investigação
São acusados de matar dois homens e tentar assassinar um terceiro. Ainda são investigados por um terceiro homicídio e outras duas tentativas.
A primeira vítima foi Luis da Silva Dias, 26 anos. Virou alvo da família por ameaçar moradores, traficar na região e ser suspeito de cinco assassinatos. Tombou em agosto do ano passado.
Informalmente, teriam confessado

A segunda vítima foi Paulo Cristiano Comby dos Santos, 22 anos. Conforme apurou a polícia, o jovem tumultuava o bairro com furtos e roubos.
Até arrombar a casa errada: entrou na chácara do pai dos irmãos Leandro Correa da Silva, 21 anos, Marcos Correa da Silva, 22 anos, e Paulo Ricardo Correa da Silva, 30 anos. Eles não perdoaram.

Segundo a polícia, prepararam uma tocaia e executaram Rambinho a
tiros. Com um dos irmãos foi apreendida uma pistola .380, três carregadores e munições. Informalmente, um dos irmãos teria confessado os crimes e alegado legítima defesa. Na companhia de seu advogado, todos se calaram. Foram encaminhados à Penitenciária Estadual do Jacuí.
Advogado nega apelido da família

O nome Justiceiros foi dado pelos próprios criminosos e surgiu porque todos tinham emprego. Dois são microempresários e os outros ajudavam no corte de pedras na mesma empresa.

- São valentões e aplicavam a lei deles. Apesar de matarem a vagabundagem, não compactuamos com isso - disse o titular da 3ª DP, delegado Alencar Carraro.

O advogado da família, Omar Dupont, afirmou:

- Por prudência, eles silenciaram e não assumem a condição de justiceiros. Quem diz isso é a polícia.
Quem são
Com fama de valentões, andavam armados e se diziam Justiceiros. Foram denunciados à Polícia por familiares de vítimas e moradores do Morro do Paula.

Os três irmãos:
– Leandro Correa da Silva, 21 anos - Tinha antecedentes por porte ilegal de arma, lesão corporal e desobediência.
– Marcos Correa da Silva, 22 anos - Não tinha antecedentes policiais.
– Paulo Ricardo Correa da Silva, 30 anos - Seus antecedentes policiais: porte ilegal de arma e desacato.

O cunhado:
– Edenir da Silva Martins, 47 anos - Antecedentes policiais: lesão corporal.

Alvo 1: o Luisinho
Luis da Silva Dias, 26 anos, o Luisinho Matador, era descrito pela polícia como um homem violento. Revidava a tiros as tentativas de abordagem. Era investigado por pelo menos cinco homicídios. Respondia por tentativas de homicídio, homicídio, tráfico e porte ilegal de arma.
Foi surpreendido pelos Justiceiros no dia 29 de agosto de 2010. Mesmo com colete à prova de balas, acabou executado com dois tiros em cada olho. Era um dos mais perigosos de São Leopoldo, descreve o delegado. Tumultuava a região com assassinatos e ameaças por conta do tráfico. Estava foragido.

Alvo 2: o Rambinho
Paulo Cristiano Comby dos Santos, 22 anos, o Rambinho, tinha passagens pela polícia por homicídio, ameaças, roubo de carros e pedestre. Amedrontava o morro com furtos e roubos. Ao invadir a chácara da família Silva, virou alvo dos irmãos e do cunhado, que resolveram dar um basta. Repetindo a tática da tocaia, surpreenderam Rambinho no dia 18 de junho de 2011 e o executaram. Além dos tiros na cabeça, os ferimentos se espalharam também pelo corpo.


DIÁRIO GAÚCHO
Amigos, conselho do Gaucho Negro: no futuro, usem mascaras e guardem segredos sobre suas atividades. Abraços Fraternos.