Gaucho Negro!

Gaucho Negro!
Força e Honra

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Cercamento da Redenção divide especialistas em urbanismo e segurança

Sou a favor do cercamento, está mais que provado que não é seguro, gosto de pragmatismo, coisas que deêm resultados e esta me parece ser a melhor solução... Conheço muito bem a Redenção e todos os seus problemas... GN

Proposta de plebiscito reabre debate sobre colocação de grade no entorno do parque na Capital

Cercamento da Redenção divide especialistas em urbanismo e segurança Diego Vara/Agencia RBS
O tema já foi apresentado em reuniões anteriores do conselho de usuários do parque, e cerca de 80% se mostra contrário ao cercamentoFoto: Diego Vara / Agencia RBS
Heloisa Aruth Sturm*
A polêmica em torno do cercamento do Parque Farroupilha (Redenção), que desperta discussões em Porto Alegre há mais de duas décadas, voltou à tona com a apresentação de um projeto de lei que convoca a população para opinar sobre o tema por meio de um plebiscito nas eleições de 2014. 

A proposta divide especialistas em urbanismo e segurança e abre caminho para uma ampliação do debate em torno do uso dos espaços públicos na cidade. Para Ada Raquel Schwartz, arquiteta da Secretaria Municipal de Urbanismo, a discussão deve levar em conta os hábitos e costumes do cidadão que utiliza o parque: 

— A segurança é apenas um dos balizadores da configuração do espaço público. O que influi diretamente no espaço é a maneira como a população o utiliza, porque a partir do momento que há uma apropriação daquele local ele se torna naturalmente mais seguro. Cada espaço tem suas características peculiares, por isso essa é uma questão tão polêmica. 

A proposta do vereador Nereu D'Avila (PDT) desagrada à Associação de Amigos e Frequentadores do Parque Farroupilha. 

— O parque foi concebido para ser livre. Essa proposta vai cercear o cidadão comum, que já paga o custo para uma segurança que ele não tem — diz Roberto Jakobasko, representante da associação. 

O tema já foi apresentado em reuniões anteriores do conselho de usuários do parque, e cerca de 80% se mostra contrário ao cercamento. Uma enquete feita nesta semana no site de ZH mostra que 61% dos 2,3 mil internautas que até ontem haviam participado são contrários à medida. 

Os custos da medida ainda não foram definidos, mas estima-se que seriam necessários cerca de R$ 1 milhão para cercar os 2,5 mil metros de perímetro do parque, segundo o consultor Leandro Cardon, da Kravi Planejamento em Segurança. 

O valor foi baseado no custo médio do material mais resistente. Cardon é favorável ao cercamento, mas admite que a solução deve vir acompanhada de outras medidas.

— Sistemas de monitoramento, atuação de agentes de segurança treinados e definição de aspectos organizacionais como horário de funcionamento e quantidade de acessos são fundamentais — afirma. 

Mesmo depois de aprovado, o projeto de lei ainda terá de passar por uma avaliação detalhada do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS), já que a viabilidade do plebiscito depende de uma série de fatores. De acordo com o TRE, a realização da consulta popular depende de consultas ao TSE, já que se trata de uma eleição geral e o desenvolvimento do software para votação é nacional.

Além disso, a realização de qualquer plebiscito prevê tempo de propaganda para as frentes que se formariam, a favor e contra o cercamento, e isso não pode colidir com o tempo destinado à propaganda eleitoral já previsto em lei.

*Colaborou Carlos Guilherme Ferreira
ZERO HORA

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário