Gaucho Negro!

Gaucho Negro!
Força e Honra

terça-feira, 8 de outubro de 2013

VINGADORES, BATMAN, TURMA DA MÔNICA, STAR WARS, O PSICOPATA DEXTER, ONE PIECE E DUBLADORES. CONHEÇA A GALERA DO MISTIRAS


     
O que dubladoresStar WarsOs VingadoresBatmanSuperman, Turma da Mônica, Speed Racer,o psicopata Dexter,  Super Mario Bros One Piece tem em comum?
Não... não são desenhos animados nem uma matéria sobre dublagem, mas um site cheio de referências a Cultura Pop, o Mistiras.  Que segundo seu autores é a junção de  mistura + tiras.





Os autores Ary Santa Cruz Netto (texto) e Luciano Félix (desenhos) são os responsáveis pelo Mistiras, site que já tem mais de um ano de existência e quase cem tiras postadas. Luciano faz trabalhos para a Mad e também participou do primeiro volume doMSP 50, projeto da Mauricio de Sousa Produções para os 50 anos do quadrinista.
Apesar do estilo irreverente as tiras não são ofensivas as mitologias abordadas. Na realidade são uma ode aos ícones da cultura pop.


O sucesso do Mistiras foi tanto que já existem até camisetas para venda com os Super-Heróis Nordestinos  que nada mais são do que paródias dos membros da Liga da Justiça: Aguamem o Rei dos Açude, Avexado Ligeiro que só,  Caatigan o Vaqueiro das Brenha, Lampião Verde o Guardião das Terra, Mulé Macambira a Matuta que é Prncesae Superome, O Cabra de Aço.

Além das paródias com os personagens da cultura pop, a dupla criou seu próprio personagem que é Marco ParllaO Dublador. Que nada mais é do que uma grande homenagem a esse universo de dublagem.

E através deste personagem não faltam homenagens a outros dubladores que aparecem regularmente na série. O homenageado mais frequente é Guilherme Briggs, que volta e meia aparece com seu mascote o cão negão chamado Tobias

Briggs além de dublador também gosta de desenhar tiras. Para mais detalhes basta acessar outra postagem nossa aqui

Em vista de tal popularidade Ary Luciano resolveram reunir todas as tiras e publica-las em forma de livro e para isso estão fazendo uma campanha para conseguir financiar seu primeiro álbum.
Para saber mais detalhes desta campanha e do Mistiras tive um bate papo com eles que me contaram tudo sobre seu trabalho. 
E agora com vocês Ary Santa Cruz Netto, Luciano Félix e de tudo um pouco!
Após a entrevista fiquem com mais tiras da dupla


Olá, Ary e Luciano! Antes de tudo gostaria de agradecer a presença de vocês aqui no Chamando Superamigos.
Para começar, me digam onde nasceram, moram e como se conheceram e resolveram trabalhar juntos.
Ary - O Prazer é nosso, Ricardo.
Bom, eu nasci em Boa Viagem, na cidade do Recife, em Pernambuco.
Luciano - Eu sou de Jaboatão dos Guararapes e tô morando no bairro do Ipsep desde 2011. Conheci o Ary em um evento que a PADA (Produtora Artística de Desenhistas e Associados) participou em 2011 (acho). Ele tava coletando informações para seu trabalho de conclusão de curso entrevistando os membros. Em pouco tempo ele já fazia parte do grupo.
Ary – Isso mesmo. Em 2011 eu estava terminando meu curso de Jornalismo e decidi fazer o meu Trabalho de Conclusão em quadrinhos. Um dos temas era sobre Quadrinhos emPernambuco, então fui atrás da PADA que foi um dos grupos independentes de HQs mais antigos do país. Lá conheci e entrevistei o Luciano, bem como outros amigos que faziam parte do grupo, como o Sandro Marcelo (do Saniverso) o Teo Pinheiro e Milson Marins.
Naquele tempo, eu já tinha um arquivo de três anos de roteiros para tiras, pois já pensava em abrir um site de webcomics. A pesquisa com o TCC contribuiu bastante para reforçar minhas estratégias e planejamentos em cima disso. Pouco antes de conhecer Luciano, eu tinha uma parceria com a Mariana Netto, e na verdade eu abri o Mistiras com ela como desenhista. Mas acontece que após uma semana ela precisou se ausentar, por causa de um problema familiar.
Fiquei preocupado, pois o Mistiras é um trabalho que planejei por muito mais que três anos. Cheguei na lista do Yahoo da PADA e perguntei se alguém poderia me indicar um desenhista, que eu até pagaria, pois tinha certeza que o projeto poderia dar certo e não queria ver ele receber um hiato justo no começo. Para minha surpresa, Luciano se prontificou a ajudar, trabalhando em parceria e dividindo cada custo e lucro que o projeto possa render.

Mistiras agora tem pouco mais de um ano, quase 100 tiras e um razoável sucesso, do qual muito me orgulha. 

Nossa, que bom! Agora me falem um pouco de seu trabalho. Como cada um iniciou sua carreira e quais dificuldades encontraram no início?
Ary - Eu já roteirizei algumas HQs independentes antes, mas sou metódico, então não procuro um desenhista e tiro do papel se não achar que vale a pena. Entre alguns trabalhos que já foram quadrinizados, estão Elogio a Loucura, que é uma homenagem ao personagemLouco, da Turma da Mônica, e uma historinha água com açúcar para uma ex-namorada baseada em Take on Me, do A-Há. Além delas, também assinei um roteiro para a WebcomicO Diário de Virgínia, que é uma série que revoluciona a forma como as HQ´s são feitas na plataforma On Line.
Decidi começar “oficialmente” quando elaborei o projeto do Mistiras e o tirei do papel, junto com Luciano.
As dificuldades, como para qualquer um que enfrenta um projeto desses a sério, é encontrar tempo para fazer do Hobby uma profissão, se engajar no meio das webcomics e dos quadrinhos mainstream e elaborar maneiras de tornar aquilo que você faz financeiramente rentável.

Luciano - Desenho desde que me entendo por gente. Lembro-me de fazer caricatura doTancredo Neves e mostrar para os adultos. Na escola, fazia pôsteres de heróis para vender pros colegas. Cresci lendo os super-heróis e sonhando em ser um artista da Marvel ou DC, mas em 93 um amigo me emprestou uma revista Mad, daí, virei casaca e meu sonho passou a ser desenhista de humor. Em matéria de dificuldades, posso dizer que eu sou meu maior empecilho. Não sei vender bem meu peixe e vivo ocupado com muitos projetos pros quais não soube dizer não, apesar de gostar de todos. Apesar disso, num surto de impetuosidade, tomei a iniciativa de mandar meu portfólio para o Ota, então editor da Mad. Meses depois, em 2002, estreei com a sátira de Xuxa e os Duendes. Noutro momento de arrojo, comecei a mandar caricaturas, cartuns e quadrinhos para salões e festivais pelo Brasil e pelo mundo. 2004 foi meu ano. Ganhei vários prêmios, a maioria em quadrinhos. No ano seguinte fui indicado ao HQmix como desenhista revelação.

 Puxa, parabéns! Vocês são responsáveis pelo site Mistiras que é cheio de referências a Cultura Pop. Me falem um pouco sobre isso.

Ary - Meu objetivo sempre foi fazer essa mescla da forma mais inusitada possível. Para quem não percebeu, Mistiras é na verdade uma união das palavras “Mistura e Tiras” e foi o melhor nome que pude pensar para passar essa ideia desde o seu título. Como mencionei antes, sou metódico e é um desafio pessoal pensar em ideias e temas que ninguém nunca quadrinizou antes. Como resultado, é bacana quando os leitores reconhecem isso, dizendo coisas como: “Caramba, é mesmo!” ou “achei que apenas eu pensava assim”. A intenção é justamente fazer um trabalho diferenciado, tanto em questão de roteiro como traço. E quanto a esse segundo ponto, não só a qualidade gráfica como as referências visuais da experiência de Luciano naMad contribuem bastante para as nossas HQs.
Luciano - Apesar de não me considerar um nerd de nível 10, a proposta do Mistiras me cativou porque se tratava de duas coisas que adoro: cultura pop e tiração de onda.

Um dos seus personagens regulares é Marco Parlla, O Dublador. Através dele vocês fazem um trabalho bacana em homenagem aos dubladores.  A escolha de um dublador  como personagem  e o meio aonde atua teve algum motivo? Porque fazer uma série de tiras dedicadas a dublagem?

Ary - Eu não queria começar uma série regular no Mistiras se não fosse para ter um produto diferenciado. Então coloquei minha cabeça para funcionar e tentei imaginar algum tema que nunca, ou pouco, tivesse sido debatido antes nos quadrinhos e do qual eu tivesse prazer em falar. Sou muito fã da dublagem brasileira e acredito que é um trabalho muito importante para um povo, pois carrega sua cultura e voz através de uma adaptação que às vezes pode ser melhor que a original. Então, como há tantas vozes que negam esse profissional, eu decidi criar um personagem que servisse justamente para mostrar o que há de legal e positivo na dublagem, e assim surgiu o Marco Parlla, cujas histórias abordam desde homenagens a grandes dubladores como a nostalgia de seus trabalhos. Deixei Luciano criar livremente odesign do Marco, além de sugerir seu sobrenome, que vem das palavras Parlare, que é falar em italiano e Parla que é “passar a conversa” em nosso bom português.
Luciano - Adoro dublagem, apesar de não conhecer muitos nomes. Marco Parlla é a síntese de muitas histórias e personalidades desse meio.

O Guilherme Brigs além de dublador também desenha tiras e charges, inclusive com os mesmos temas que vocês. Já chegaram a pensar em algum tipo de  parceria? 
Luciano - De certa forma a parceria já rola por pura afinidade. Ele já foi homenageado várias vezes, não só por compartilhar várias das tiras, mas pelo simples fato de ele ser uma pessoa carismática e amada entre os fãs de dublagem.
Ary - Acho que Luciano já disse tudo.

Realmente. Também sou um grande fã do Guilherme e até já fiz uma matéria com eleaqui.  Vocês também tem outra série fixa, a Um Teco, que é uma paródia do anime One Piece. Me expliquem como surgiu a ideia.
Luciano - Eu só criei a imagem dos personagens com base em referências que o Ary me passou e criei o nome "Um Teco".

Ary - Como todas as ideias boas, vieram do nada. Eu pensei em uma paródia para uma versão nordestina de One Piece ainda na faculdade, mas ela ainda estava verde demais para se tornar um roteiro. Alguns anos depois, quando o Mistiras já existia, eu estava indo para o estúdio do meu amigo Rafael Oliveira e, durante o caminho, com minha mente fértil, finalmente criei a primeira Mistira sobre os personagens. Um dia depois de ela ir ao ar, afanpage do Piece Project (que é uma das maiores páginas de One Piece no país) postou a tira e ela teve mais de 2.000 curtidas e compartilhamentos. Acho que nada mal para um site que, na época, tinha apenas cinco meses de vida.



Uau! Nada mau mesmo!  E quais as influências na obra de vocês?      
     
Ary - Cara, são tantas... basicamente toda a cultura pop que conheço pode se tornar uma tira. Por exemplo, uma foto nos bastidores de Os Vingadores, mostrando os atores que fazemThor Loki “espiando” a bunda de Scarlet Johansson originou nossas duas tiras do “Especial Vingadores



 E o polêmico final de Man of Steel ( Homem de Aço)nossa mistira Superman encontra Batman nos cinemas. 

Agora, se você está falando de autores e obras propriamente ditas... no meu caso, talvez um pouco de Marcelo Cassaro e seu Holy Avenger (uma das melhores HQs que li até hoje),Tom de Falco e sua visão humanista do Homem-Aranha, Brian Michael Bendis, Mark Millar, Grant Morrison, Alan Moore, Frank Miller... All Star SupermanPara o Homem que tem tudoHagar de Dick BrowneCalvin e Haroldo, que é genial... muita coisa mesmo.
Boas referências Ary! Todas as obras que também aprecio. E você Luciano?

Luciano - Nos meus anos de comics, pré 93, meus ídolos eram John Byrne e George Perez. Depois da Mad, minhas influências passaram a ser Sergio Aragonés e Mort Drucker. Também gosto muito de Asterix, Luck Luky e o estilo francês em geral. A Mad também influenciou na minha forma de roteirizar (sim, também sei escrever), além das paródias dos irmãos Zucker no cinema.

Ótimas referências também Luciano! Mais uma vez me identifico com seus gostos. Agora uma coisa que notei é que grande parte das tiras são protagonizadas por Super-Heróis Marvel e DC.  Vocês são colecionadores também?
Ary - Sim! Comecei minha coleção com um gibi do Aranha em 1997, em que na capa a esposa de Eddie Brock usa o uniforme simbionte. Coincidentemente, também era a edição que marcava a fase em que Ben Reilly iria usar o uniforme. Na época, achei que tinha um marco dos quadrinhos nas mãos, mas aí com o tempo fui percebendo que não passava de uma estratégia nos quadrinhos para se vender mais revistas. Ainda coleciono até hoje, a maioria encadernados.
Luciano - Já colecionei muito gibi nos anos 1980/90, mas parei. Hoje não tenho a menor vontade de acompanhar nenhuma série. Tanto que não me entusiasmo nem um pouco para fazer testes para Marvel ou DC, ao contrário do que eu pensava anos atrás. Prefiro histórias fechadas ou fora da cronologia e contexto, tipo a série Túnel do Tempo da DC. Mas a paixão pelos heróis ainda tem resquícios em mim. Até hoje gosto de assistir aos filmes baseados nos personagens. Outro resquício está presente em minhas criações pessoais. Já publiquei na revista Prismarte as paródias Homem-Super e Batmorcego, sendo esse último o personagem principal de um álbum já pronto que pretendo lançar pela plataforma Catarsefuturamente.

O  Luciano já fez trabalhos para Mad e também participou do primeiro volume do MSP 50, projeto que comemora os cinquenta anos do Maurício de Sousa.  Você poderia me contar como foi isso Luciano?
Luciano - Meu primeiro prêmio com quadrinhos foi no Festival Internacional de Humor e Quadrinhos daqui em 2004. Um dos convidadops do Festival foi o jornalista Sidney Gusman, do Universo HQ. Anos depois ele se tornou o braço direito do titio Mauricio, criando vários ramos para suas criações, começando pela homenagem aos seus 50 anos de carreira a qual fui convidado para o primeiro volume.

E você chegou a fazer trabalho para alguma editora Ary?  
            
Ary - Ainda não trabalhei para nenhuma editora, mas seria uma experiência interessante.

Talvez agora seja o momento.  Você está fazendo uma campanha  do Mistiras no Catarse, para conseguir financiar o primeiro livro baseado nas tirinhas do ano passado. Como funciona esta campanha?  É apenas uma votação ou também há algum outro tipo de colaboração? Explique como as pessoas podem apoiar o projeto.
Ary - O Catarse é uma ferramenta para financiamento coletivo, ou seja, o autor de um determinado projeto o orça, faz a campanha e, ao invés de ir atrás de grandes empresas, vai diretamente ao público e lhe pede o valor necessário para que seu produto saia do papel.
Para que todos saiam ganhando, há bonificações especiais para quem faz o investimento, que vão desde o agradecimento aos financiadores em créditos no produto até itens de colecionador. Se o projeto não for aprovado no tempo pedido, o dinheiro volta para o financiador.
Então, no nosso caso, a intenção é tirar nosso primeiro livro do Mistiras do papel. Ele contém todas as tiras de 2012, mais histórias de bastidores e artworks exclusivos, como estudos de personagens, homenagens... enfim, tudo para tornar a publicação bem especial.
Para que o nosso livro possa se tornar realidade, no entanto, precisamos de R$ 7.500,00 reais, que são tanto para o orçamento do livro, como para despesas de envio e bonificações (camisa exclusiva, arte personalizada para cada financiador, pôsteres...) fora os 13% que fica para o Catarse
Nossa campanha vai até o dia 5 de novembro,então se você gostou das tiras que viu durante essa matéria e quiser o livro que compila todas, e ainda mais, nos ajude acessando o link clicando aqui 
Qualquer valor ajuda. Temos bonificações que vão para todos os bolsos, de R$ 15,00 até R$ 155,00.

E para finalizar, a tradicional pergunta: qual o recado que você dá para seus fãs brasileiros?

Ary - Nunca desista. Se você quer alguma coisa e se acha realmente bom naquilo, lute até que se torne verdadeiro. Não é fácil e a luta é diária, mas cada vitória trás um gosto único de superação e felicidade. E se ainda não conhecenosso site, acesse o www.mistiras.com.br

Tem tirinha nova toda sexta e garanto que você não vai se arrepender de dar
apenas uma olhada!

É isso. Muito obrigado pelo espaço cedido e até a próxima, pessoal!

Luciano - Só quero agradecer a todos que curtem meu trabalho tanto o pessoal como no Mistiras. Agradeço a quem contribuiu ou vai contribuir no Catarse para por as tiras de 2012 no papel. Se não contribuir financeiramente, uma divulgação e recomendação também é super bem vinda. Pra finalizar, convido a todos que apareçam na cidade de mentirinha que eu criei para acolher minhas histórias e personagens. É o bloga da Cidade de Ficcítia que você pode conhecer acessando aqui


Para todos, abração e tudebão!

Eu é que agradeço a presença de vocês aqui.


Fiquem agora com mais tiras do Mistiras











Ricardo Quartim

Membro da equipe da revista Mundo dos Super Heróis, aspirante a escritor com uma obra não publicada, 'Os Senhores de Ur'.Colecionador,advogado,ex-modelo e monitor técnico de musculação esportiva . Leia Mais sobre o autor...

Um comentário: