Gaucho Negro!

Gaucho Negro!
Força e Honra

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Revisitando: Batman - O Cavaleiro das Trevas



Com o sucesso de Batman Begins, uma sequência para a bat-franquia de Christopher Nolan tornou-se quase que obrigatória. Ainda mais quando levamos em consideração a cena final do filme que deixou aquela sensação de “Nossa! Eles precisam fazer outro” (Para quem não se lembra, na cena em questão o recém promovido Tenente Gordon entrega ao Batman uma evidência recolhida em uma cena de crime: uma carta de baralho... um Coringa).

Analisando o filme, constatamos que a base nos foi apresentada de uma forma sólida, portanto, em um possível novo filme, a história e os personagens poderiam ter maior desenvolvimento. Porém, seria possível fazer tudo isso sem tornar o filme repetitivo? E como? A resposta: tornando tudo maior e melhor! A partir desta idéia nasceu Batman – O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight).

Há bastante tempo foi publicada em um site uma matéria sobre a importância dos heróis e super-heróis e que continha uma afirmação muito interessante: a grandeza de um herói/super-herói é medida pela qualidade dos seus vilões. Partindo deste princípio, existia uma outra maneira de tornar TDK melhor que o seu antecessor do que utilizar os melhores vilões da enorme galeria do Batman – Coringa e Duas-Caras? Certamente que não!
Com a escolha dos vilões e já conhecendo o trabalho de Chris Nolan, já tínhamos certeza do sucesso do filme. Mesmo assim, vários bat-fãs ficaram com o pé-atrás quando conheceram os atores escolhidos para os papéis: Aaron Eckhart (Obrigado por Fumar) e Heath Ledger (O Segredo de Brockeback MountainCoração de Cavaleiro). Porém, mais uma vez, fomos surpreendidos positivamente.

Eckhart fez um ótimo trabalho como o sonhador promotor público Harvey Dent (entenda a palavra ‘sonhador’ como alguém que vislumbra um mundo melhor e faz de tudo ao seu alcance para alcançá-lo, e não no sentido pejorativo) e o inevitável e não menos ótimo Duas-Caras. Conseguiu mesclar a dualidade do personagem de uma maneira incrível onde nos era nítida a diferença entre as suas duas personalidades. Claro que a forma como ele se tornou o Duas-Caras no filme é diferente das HQ’s, mas foi feito de forma a aproximar o seu acidente a algo que pode acontecer no nosso mundo e, também, serviu de pano de fundo para a morte da personagem Rachel Dawes, interpretada por Maggie Gyllenhaal(Donnie DarkoAs Torres Gêmeas) substituindo Kate Holmes, que preferiu não participar do filme devido ao nascimento recente de sua filha com Tom Cruise).

E o que dizer de Heath Ledger?

Desde o final de Batman Begins ficou a seguinte dúvida na cabeça de todos: será que alguém conseguiria interpretar o Coringa tão bem quanto o icônico personagem de Jack Nicholson no filme Batman (1989)?Heath Ledger não somente conseguiu tal façanha como superou e muito as expectativas de todos.

Foram meses de preparo utilizando-se das mais diversas referências de HQ’s, diga-se de passagem, adoradas pelos fãs e itens obrigatórios na estante de qualquer colecionador que se preze, para construir o personagem: Asilo Arkham, de Steve McKean e Grant MorrisonO Longo Dia das Bruxas, de Jeph Loeb e Tim Sale e, óbvio, A Piada Mortal, de Brian Bolland e Alan Moore (para quem não conhece, esta é a história que conta a origem do Coringa... O que ele era e como se tornou o personagem que todos conhecemos).


batman
Voltando a falar de Heath Ledger, ele fez o mais sensacional trabalho já visto em um filme baseado em HQ’s. Ele se entregou de corpo e alma ao personagem criando a versão definitiva do mais conhecido vilão de todos os tempos e tornou-se protagonista do filme, deixando Chris Bale/Batman em segundo plano. O filme é dele! Antes mesmo de sua prematura morte, todos já comentavam sobre o seu estupendo trabalho e a ansiedade em ver a sua atuação era nítida em todos os que falavam ou comentavam sobre TDK.

Coringa criado por Ledger ultrapassou todos os limites da loucura já pensada ou até mesmo retratada pelos diversos artistas que já puderam trabalhar com o personagem. Um Coringa que mata todos no seu caminho sem remorso e brinca com a vida dos outros e que, ao mesmo tempo, consegue ser um estrategista pensando em cada movimento e como atingir os seus objetivos. Um Coringa de verdade. Um Coringa do mundo real.

Tratando-se de mundo real, mais uma vez nos foi dada uma aula de como podemos acreditar nas coisas que vemos no cinema, pois praticamente todo o filme foi feito com cenas reais e pouco uso de efeitos especiais. O caminhão virando em plena rua? Real! A batida do Lamborghini Murciélago? Real! A explosão do Gotham General Hospital? Real! O Bat-Pod (ou Bat-Moto, como queiram)? Real! Duvidam? Assistam aos extras do DVD que vocês verão... Claro que o uso dos efeitos é importante, como, por exemplo, na incrível cena de vôo do Batman em Hong Kong, mas isso não é tudo. É preferível um filme com diálogos e história interessantes do que um cheio de computação gráfica.

Ainda falando em mundo real, é impressionante como tudo no filme foi pensado de uma forma em que podemos realmente acreditar que aquilo existe. A evolução do traje de Batman é um grande exemplo. Tudo tem a sua explicação e nada no uniforme está lá por acaso. Seria uma coisa óbvia de se pensar que, com seus bilhões de dólares, Bruce Wayneestaria sempre à procura de como melhorar os seus métodos de combate e as suas “ferramentas de trabalho”. Até mesmo o sonar utilizado no filme, adaptado da forma que os morcegos se utilizam para caçar, é algo que existe no mundo real. Incrível!

Falando novamente das HQ’s, uma das cenas mais espetaculares para os fãs foi a cena no topo da Central de Polícia de Gotham onde estavam oBatmanTenente Gordon e Harvey Dent. É uma referência direta a uma passagem da, já citada, O Longo Dia das Bruxas. Até mesmo o efeito da câmera circulando os três é igual à cena da HQ. Homenagem mais do que justa a dois dos maiores artistas que já passaram pelas páginas do Morcego: Jeph Loeb e Tim Sale. Sabiam que a frase I Believe in Harvey Dent (Eu acredito em Harvey Dent) também saiu de lá? Se você ainda não leu O Longo Dia das Bruxas leia! Com certeza uma das dez melhores bat-histórias de todos os tempos!

Uma das cenas mais simples, mas que também emocionou a todos os fãs foi a promoção do, até então, Tenente Gordon para o famosoComissário Gordon! Afinal, nunca havia sido mostrado na telona como ele se tornou o comandante chefe da polícia de Gotham, personagem mais que obrigatório em todas as histórias do Morcego e fiel aliado de Batman.

No campo das referências às HQ’s, TDK manteve o nível de Batman Begins: a aparição relâmpago do EspantalhoComissário Loeb,Salvatore Maroni (assumindo o controle da máfia em Gotham devido à insanidade de Carmine Falcone, que continua internado no Arkham),Barbara Gordon (esposa de Jim Gordon), James Gordon (filho) e até mesmo a outra Barbara Gordon (futura Batgirl). Além de tudo isto, ainda tivemos a frase da bailarina russa chamando o Batman de Caped Crusader, ou seja, o Cruzado de Capa, nome muito utilizado na Época de Ouro das HQ’s.

Curiosidade: esse é o único filme do Batman em que a Bat-Caverna não aparece. Com a explosão da Mansão Wayne em Batman Begins, Bruce passou a morar em uma cobertura no centro da cidade enquanto a Mansão e, claro, a caverna, são reconstruídas.

Novamente Chris Nolan e David S. Goyer, desta vez com o auxílio deJonathan Nolan (irmão de Chris), criaram um roteiro maravilhoso recheado de diálogos marcantes e com cenas de ação incríveis, o que fez de TDK o melhor filme baseado em HQ’s de todos os tempos e o mais lucrativo também, ultrapassando a barreira dos US$1 bilhão de dólares.
batman
Mais uma vez só nos resta agradecer a estes homens que amam este personagem e que fizeram um dos grandes filmes do nosso tempo. Um agradecimento especial a Heath Ledger que estará pra sempre em nossos corações com a sua incrível atuação... Mas não há motivo para tristeza, afinal como Ledger/Coringa disse “Let’s put a smile on that face... (Vamos por um sorriso nessa cara)

#HeathEterno

Nenhum comentário:

Postar um comentário