Gaucho Negro!

Gaucho Negro!
Força e Honra

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Revisitando: Batman




Onde você estava em 23 de junho de 1989? Por acaso se recorda? Muitos não lembrarão devido à época serem apenas crianças, por esta não ser uma data com algum significado específico para a maioria ou até mesmo, no caso dos menores de 22 anos, devido ao fato de que ainda não haviam chegado a este mundo até então. Porém, este dia deve ser lembrado com muito carinho por todos os fãs do Homem Morcego, pois foi esta a data de estréia mundial do filme Batman (Batman).

Comemorando os 50 anos do personagem, com uma gigantesca campanha de marketing e com o maior orçamento da história do cinema até então (US$50 milhões) o filme gerou muita expectativa em fãs do Batman e de HQ’s no mundo todo.

Porém, voltemos no tempo para ver como chegamos a isso...


Durante os anos 70 e grande parte dos anos 80 para o grande público o nome Batman era diretamente relacionado aos infinitos sons de Soc's,Paf'sZoomp's devido ao enorme sucesso da série de TV (encerrada em 1968). Nas HQs, liderados pelo lendário desenhista Neal Adams, vários artistas trabalhavam para trazer de volta o tom sombrio para as histórias do Batman, fazendo com que ele voltasse a ser o personagem idealizado por Bob Kane no final da década de 30.

Em 1979, Michael E. Uslan, primeiro idealizador de um curso universitário voltado à Nona Arte (para os desinformados, as HQs são consideradas a Nona Arte) e atualmente Produtor Executivo da DC Comics, surgiu com o esboço de um roteiro para o que viria a ser um novo filme do Morcego. Provavelmente devido ao estigma cômico da série televisiva e do fraco apelo perante o público, o roteiro foi recusado por todos os grandes estúdios de Hollywood. Iniciava-se uma verdadeira batalha de 10 anos para levar Batman de volta aos cinemas.

Após muitas idas e vindas o roteiro foi parar nas mãos de um diretor novato chamado Tim Burton, até então com 29 anos e apenas dois filmes no currículo: As Aventuras de Pee-Wee (Pee-Wes Big Adventure - 1985) e Os Fantasmas Se Divertem (Beetlejuice – 1988). 



Com a oficialização de Burton como diretor do filme, começaram as especulações para descobrir quem seria contratado para viver Bruce Wayne nos cinemas e a escolha não poderia ter sido pior (pelo menos naquele momento): Michael KeatonUslan chegou a dizer para os envolvidos no filme: "Ah meu Deus... Não pode ser um Batman ridículo outra vez!".

Com um histórico de comédias e devido a sua aparência física, Keaton e os responsáveis pela sua escolha foram execrados pela grande mídia, pois achavam que, devido à escolha de um ator cômico, o filme seguiria os moldes da série de TV. Para se ter uma idéia da repercussão da escolha do ator, até o The Wall Street Journal publicou em sua primeira página um artigo chamado Fãs do Batman temem ser a piada no épico de Hollywood contendo a seguinte frase: "É a escolha mais tola, isso é ridículo... Este não é o Batman!". Os fãs também não ficaram nada satisfeitos com a escolha do ator e alguns chegaram a enforcar um boneco com a cara de Michael Keaton!!!

O que fazer para acabar com a desconfiança sobre o filme e trazer o público para perto novamente? Chame um ator consagrado e lhe dê um percentual sobre a bilheteria, criando assim o maior cachê da história até aquele momento. Este era Jack Nicholson...


Porém, mesmo com a chegada de Nicholson, ninguém sabia o que esperar do filme, pois tudo era mantido no mais absoluto sigilo (e não existia a internet). Para terminar de vez com o receio dos fãs foi feito umteaser trailer do filme com 50s de duração que, em sua primeira exibição, foi aplaudido em pé pelos espectadores!!!



Quando o teaser começou a passar nos cinemas, estes passaram a receber dezenas de ligações por dia para informar em qual horário ele seria exibido e várias pessoas chegaram ao cúmulo de comprar ingressos para um filme que não queriam ver, assistir ao teaser e ir embora!!!

A loucura era tanta que em convenções de HQs e Ficção Científica os fãs chegaram a pagar US$ 25 por uma cópia do trailer (lembre-se: não tinha internet)!!!

Acabava assim a desconfiança e uma nova Batmania começava muito mais intensa do que anterior!!!



premiére do filme foi realizada numa segunda-feira a noite, dia 19 de junho, e os arredores do cinema estavam tomados por centenas de fãs!Bob Kane, segundo sua esposa, ao ver tantas pessoas chegou a, com lágrimas nos olhos, perguntar para ela: "Porque tantas pessoas apareceram para ver uma coisa que criei?". Ele realmente não tinha noção da dimensão da sua criação... O mais impressionante foi que a estréia para o público seria somente no dia 23 (sexta) e na quarta-feira já tinha gente acampada do lado de fora esperando!!! No dia da estréia as filas davam a volta no quarteirão!!!

Falando sobre o filme, ele é exatamente o oposto da série de TV: sombrio, escuro, com uma Gotham City totalmente industrial e o Batmanatacando pelas sombras. Para este visual, Tim Burton usou as HQs deFrank Miller (O Cavaleiro das TrevasBatman: Ano Um) e Alan Moore (A Piada Mortal) como inspiração e criou algo muito parecido com o que Bob Kane sempre idealizou para o personagem e que os fãs gostariam de ver.

Contrariando as críticas, Michael Keaton fez um excelente trabalho comoBruce Wayne/Batman, mas quem roubou a cena foi Jack Nicholson. Da mesma forma que aconteceu com o Batman de Christian Bale em O Cavaleiro das Trevas que acabou ofuscado pelo Coringa brilhantemente interpretado por Heath Ledger, aqui o personagem título ficou em segundo plano devido à atuação de Nicholson.

Aliás esta não é a única semelhança entre os dois filmes. A cena final deBatman é uma luta entre o Homem Morcego e o Coringa no topo da catedral de Gotham onde o Coringa acaba caindo da torre. Por acaso alguém se lembra da última cena de Ledger em O Cavaleiro das Trevas? Os dois estão lutando no topo de um prédio em construção e o Coringatambém cai... A única diferença é que no filme de 1989 ele acaba morrendo na queda e no filme mais recente o Batman o salva lançando uma corda nos seus pés.


Referências às HQs têm aos montes: Vicky Vale, interpretada por Kim Basinger (substituindo Sean Young que se acidentou e não pode fazer o filme), o Promotor Público Harvey Dent, interpretado por Billy Dee Williams ( o Lando Carlrissian de Star Wars), a ostentação de Bruce Wayne, o Beco do Crime, e, claro, os itens do Coringa como a mão de choque, o gás do riso, a mão falsa, a flor que espirra ácido e a arma que quando acionada dispara uma bandeira com a palavra BANG!!!

Até a origem do Coringa foi retratada quase que fielmente às HQs ao cair num tanque com compostos químicos (como mostrado em A Piada Mortal), com exceção ao fato de conhecermos o nome dele antes do acidente: Jack Napier, um capanga do chefão do crime em Gotham City. Esta identidade foi criada somente para o filme pois nas HQs nunca foi revelado o real nome do Coringa.


Uma das poucas críticas que o filme recebeu por parte dos fãs foi devido ao fato do Coringa ser responsável pela morte de Thomas e Martha Wayne (ainda como Jack Napier). Como mostrado corretamente emBatman Begins, os pais de Bruce foram assassinados por Joe Chill, um ladrão comum. Mas isso não abalou em nada a aceitação do filme junto ao público.

Após tantos anos de esquecimento e alvo de piadas, o Batman chegava novamente ao topo! Graças à persistência de Michael Uslan, que lutou bravamente para levar o personagem de volta às telonas, e pela visão deTim Burton, que tratou o personagem com o devido respeito e cuidado.

A partir do filme Batman nada mais foi como antes... Nada mais de"Santa-alguma-coisa-Batman"... Nada mais de Soc'sPaf's eZoomp's... Nada mais de piadinhas infames e deduções sem sentido...

A partir de Batman apenas um herói... Sombrio... Humano... Real...


OBS: Confira também os outros posts da série Revisitando:

Batman - O Homem Morcego
Batman Begins
Batman - O Cavaleiro das Trevas

Nenhum comentário:

Postar um comentário